São Bento do Sapucaí: Núcleo de Produção de Mudas da SAA se destaca com mudas de frutíferas de clima temperado e subtropical com qualidade comprovada

Postado em: 19/11/2021 ás 15:32 | Por: Assessoria de Comunicação

Um dos cinco Núcleos de Produção de Mudas (NPMs) vinculados ao Departamento de Sementes, Mudas e Matrizes (DSMM), da Coordenadoria de Desenvolvimento Rural Sustentável (CATI-CDRS), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento, o NPM de São Bento do Sapucaí fica em localização privilegiada pelo solo e pelo clima produzidos pela topografia montanhosa da Serra da Mantiqueira. A temperatura é amena, ideal para o cultivo de frutíferas de clima temperado e subtropical. Por essa característica, a “fazenda do Estado” como é conhecida na região, se especializou em produzir mudas de atemoia, ameixa, caqui, pêssego, abacate, uva e castanha portuguesa.

Por ano, recebe milhares de visitantes quem vêm de diferentes partes do Estado de São Paulo e de Minas Gerais, com o qual faz limite, mas também de outros estados mais longínquos em busca de mudas de qualidade para formação de pomares comerciais ou um pomar doméstico. Além da muda enxertada, certeza de produção mais rápida e segura, quem chega a São Bento do Sapucaí também leva conhecimento. Seus técnicos e todo o quadro de funcionários estão aptos a dar as melhores informações sobre como obter sucesso no plantio da muda adquirida.

Engenheiro agrônomo Amélio Berti.

O carro-chefe em São Bento do Sapucaí é a atemoia, que foi introduzida no Estado de São Paulo e no Brasil a partir da atuação do engenheiro agrônomo Takanoli Tokunaga, que foi diretor do NPM de São Bento do Sapucaí durante vários anos. Hoje, a atemoia produzida em São Paulo ganhou o mundo e tem sido cada vez mais exportada, em especial para o mercado europeu. “As mudas enxertadas, além de garantirem a variedade desejada, têm precocidade na produção. Por este motivo, aqui partimos da germinação de sementes de plantas mais rústicas para formar o cavalo; no caso da atemoia, usamos o araticum de terra-fria e, no ponto certo, fazemos a enxertia com as diferentes variedades de atemoia”, explica Amélio Berti, dizendo que os funcionários são tão treinados que conseguem, em época de enxertia, fazer de 300 a 500 enxertos em um só dia. “É bonito de se ver”, garante o técnico. São vários os processos usados na enxertia e quatro deles − Inglês Complicado, Inglês Simples, Fenda Cheia e Encostia − podem ser vistos no vídeo técnico elaborado pelo Centro de Comunicação Rural, com as explicações do engenheiro agrônomo Amélio Berti e a experiência do auxiliar de apoio agropecuário José Benedito da Silva, um enxertador que nos reservados à enxertia chega a preparar mais de 300 mudas/dia. Para ver a técnica em detalhes basta acessar https://www.youtube.com/watch?v=ubrdTIKPljA

Além da atemoia, o NPM de São Bento do Sapucaí também foi responsável pela introdução da castanha tipo-portuguesa e, atualmente, trabalha em experimentos com o cambuci, para tornar essa frutífera silvestre em uma frutífera comercial, para venda de mudas com as principais qualidades dessa planta. Falando em inovação, o NPM de São Bento do Sapucaí também foi responsável pelo plantio das primeiras oliveiras no Estado de São Paulo. Além das mudas de frutíferas, também produz, porém em menor escala, mudas de florestais nativas e silvestres, aproveitando a área de preservação permanente, local onde são colhidas sementes, e que faz parte da área total da fazenda.

O NPM de São Bento do Sapucaí também se tornou referência pelos produtores de frutíferas por oferecer Seminários e Dias de Campo sobre as frutíferas que produz. É quando são convidados a ministrar palestras especialistas nos temas e os participantes, geralmente em grande número, não só ouvem a parte teórica, mas também se familiarizam com a parte prática nas estações montadas nas áreas de cultivo. Tratam-se de salas de aula a campo aberto e tecnologias de poda e condução, enxertia, controle de pragas e doenças, manejo e tratos culturais são sempre assuntos debatidos nesses eventos, marca já registrada, e que reúnem produtores não só de São Paulo, mas muitos de Minas Gerais (devido à proximidade) e também de várias outras localidades. O vídeo citado, explicando os diferentes tipos de enxertia empregados na produção de mudas mostra uma das prováveis estações dos Dias de Campo em São Bento do Sapucaí. Este é apenas um tópico técnico da fruta que agradou o paladar de brasileiros e estrangeiros e que foi desenvolvida a partir dos trabalhos de melhoria e adaptação realizados em São Bento do Sapucaí, que se firmou como polo difusor de tecnologias já há várias décadas.

Com 30ha de matrizeiros para formação de cavalos usados em enxertias diversas, mais pomares de plantas com qualidades agronômicas desejáveis e  várias estufas que abrigam desde os ‘berços’ para germinação de sementes, até mudas de várias idades que aguardam o completo desenvolvimento até o ponto de venda, somados ao galpão onde são feitos os processos de enxertia, o NPM de São Bento do Sapucaí tem capacidade para produção de cerca de 150 mil mudas/ano e é um orgulho do DSMM/CATI por entregar mudas de qualidade comprovada pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento.

Não importa a época do ano, as atividades são constantes, nunca param no escritório ou no campo, e é sempre um prazer para os olhos e instigante para a mente estar ali, nos contrafortes da Serra da Mantiqueira, com a Pedra do Baú emoldurando a paisagem. Ao chegar, basta procurar o engenheiro agrônomo Amélio José Berti, que há anos se dedica a pesquisar as melhores técnicas para a produção de mudas de frutíferas, ou o engenheiro agrônomo Ednei Antonio Marques, que, antes de optar pelo NPM de São Bento do Sapucaí, trabalhou à frente da Casa da Agricultura local, ou o atual diretor, engenheiro agrônomo Anderson Tatsuo Watanabe − recém-chegado de Atibaia, na região de Bragança Paulista, onde atuava na Casa da Agricultura local − e profundo conhecedor de frutíferas, não só por opção, mas por descender de uma família de produtores rurais. Enfim, certamente, quem for como visitante, participante ou comprador, terá uma ótima experiência.

Para conhecer um pouco mais de São Bento do Sapucaí, confira o vídeo preparado pelo Centro de Comunicação Rural (Cecor/CATI/CDRS), no qual Amélio Berti fala um pouco do que é feito no NPM de São Bento do Sapucaí. Basta acessar o vídeo via link https://www.youtube.com/watch?v=F9tm7FffqUA.

Além de São Bento do Sapucaí, o Centro de Produção de Mudas do DSMM é responsável por outros quatro Núcleos de Produção de Mudas, localizados em Itaberá, Marília, Pederneiras e Tietê, cada um com um viés diferenciado: objetivo maior na produção de florestais nativas e/ou silvestres para recuperação de áreas de reflorestamento ou mananciais; produção de mudas de frutíferas de clima tropical; e, em Tietê, há um laboratório de micropropagação de mudas de morangueiros e bananeiras, com capacidade para 30 mil mudas/ano, o que faz a diferença. “Todos eles visam atender às variadas demandas dos produtores rurais paulistas”, frisa o diretor do DSMM, engenheiro agrônomo Gerson Casentini Filho.


O endereço do NPM de São Bento do Sapucaí é Avenida Sebastião Ferreira dos Santos, 371 – Bairro Pinheiro. Para contato: (12) 3971-1306 / (12) 3971-2046 ou envie mensagem para o e-mail npmsaobentodosapucai@sp.gov.br.

Galeria do Flickr

Nenhuma imagem disponível.

Galeria do Site

Nenhum áudio disponível.

Informações:
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo
(11)5067-0069

Acompanhe a Secretaria: