Dia Mundial da Alimentação: Secretaria de Agricultura contribui para a segurança alimentar no Estado

Postado em: 16/10/2020 ás 13:33 | Por: Paloma Minke

O Dia Mundial da Alimentação é comemorado hoje, 16 de outubro, em vários países do mundo e foi escolhido para homenagear a Organização das Nações Unidas (ONU), criada no mesmo dia, em 1945. Neste ano, a data é duplamente significativa, já que na sexta-feira (09), o Programa Mundial de Alimentos (PMA) da ONU ganhou o Prêmio Nobel da Paz de 2020. Em comemoração a esta data, a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo apresenta suas ações para a segurança alimentar do Estado, por meio de suas unidades de abastecimento, pesquisa e extensão rural.

Desde o início, o Dia Mundial da Alimentação trabalha temas distintos a cada ano. Em 2020, a abordagem é: "Cresça, alimente, sustente. Juntos", em que será lançado um incentivo à solidariedade global, dentro do contexto da pandemia causada pelo novo coronavírus.

Lembrado em mais de 150 países, esse dia tem a finalidade de debater a segurança alimentar, buscar soluções para o problema da fome no mundo e garantir alimentos de qualidade e em quantidade suficiente para todos os cidadãos. A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo reconhece a importância de estimular hábitos de alimentação saudáveis, tanto que tem esses pressupostos definidos em sua missão.

Esse dia tem grande importância por ressaltar a real necessidade de uma alimentação saudável, acessível e de qualidade a toda população, tendo como objetivo a conscientização global sobre a fome e desnutrição. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 750 milhões pessoas foram expostas a graves índices de insegurança alimentar em 2019. Além da importância da promoção da alimentação a toda população, temas como a má nutrição de pessoas com excesso de peso também devem ser abordados, já que os dois quadros nutricionais são extremamente preocupantes e ações de intervenções, como estratégias nutricionais efetivas e políticas públicas mais assertivas, são fundamentais.

Atuando para promover a alimentação saudável

Por meio da Coordenadoria de Desenvolvimento dos Agronegócios (Codeagro) e da Coordenadoria de Desenvolvimento Rural Sustentável (CDRS), a Secretaria de Agricultura fornece importantes orientações à população e aos produtores rurais para promover o aproveitamento integral dos alimentos, de forma a extrair todos os nutrientes contidos em todas as partes, incluindo, cascas, talos, folhas e raízes. Em relação aos produtores rurais, as capacitações oferecidas pela CDRS visam a agregação de valor aos produtos, sejam eles excedentes ou não da produção agrícola.

No papel de levar até o produtor rural, em especial àqueles que mais necessitam de apoio da Secretaria, as novas práticas e tecnologias desenvolvidas pela pesquisa, os técnicos  da CDRS, em escritórios regionais e/ou nas Casas da Agricultura, auxiliam na obtenção de crédito agrícola e também no incentivo a sua participação nas políticas públicas oferecidas pelos governos estadual e federal. A extensão rural é “o braço mais próximo” do produtor promovendo o diálogo entre o governo e aqueles que são responsáveis para prover o alimento. Cerca de 70% dos alimentos em todo o País são fruto do trabalho da agricultura familiar atendida pela CDRS. É também a extensão rural a responsável por incentivar a manutenção do homem do campo em sua área de atividade, passando de geração a geração o amor pela terra e o fruto desse trabalho. É o produtor rural que alimenta a população. Como os extensionistas costumam argumentar: Você já se alimentou hoje? Agradeça ao produtor rural!

Para a população em geral, a Pasta disponibiliza diversas publicações online gratuitas, com temas variados, como alimentação escolar, marmitas saudáveis, manual de sucos, receitas com frutas, legumes e verduras, cultivo de hortas e uso de ervas aromáticas para reduzir consumo de sódio, entre outras. Baixe os livros gratuitamente na Biblioteca Virtual: http://www.codeagro.sp.gov.br/cesans/publicacoes.

O tema da segurança alimentar e nutricional é transversal e muito extenso. Por isso, o Governo do Estado dispõe de um órgão de assessoramento permanente: o Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável. O Consea-SP é a instância de articulação entre o governo e a sociedade civil, sendo composto por 36 conselheiros, dois terços dos quais são indicados pela sociedade civil organizada e um terço é formado por representantes do poder público.

Desde 08 de outubro, estão abertas as inscrições para candidatos a membros representantes da sociedade civil e do poder público para compor as 16 Comissões de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável (CRSANS) e para o Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável de São Paulo (Consea-SP). As inscrições vão até 20 de outubro. Os interessados podem conferir os documentos necessários neste link

Alimentos industrializados

Com o objetivo de explicar a importância dos alimentos e bebidas industrializados para a alimentação e nutrição humana, através de informações técnicas e científicas, o Instituto de Tecnologia de Alimentos (Ital), da Secretaria, lança neste Dia Mundial da Alimentação e Dia do Engenheiro de Alimentos, três novos estudos da Série Alimentos Industrializados 2030, que abordam biscoitos, iogurtes e sucos e outras bebidas não carbonatadas.

Assim como no primeiro estudo, lançado em março sobre pães industrializados, as publicações abordam origens e tipos específicos de produtos, sua composição detalhada, sua segurança para consumo e seu valor nutricional. “Como instituto de pesquisa dedicado à Ciência e Tecnologia de Alimentos, composto por especialistas na área, em grande parte engenheiros de alimentos, o Ital vem desenvolvendo nos últimos anos ações destinadas a contrapor mitos e preconceitos em relação aos alimentos industrializados, que acabam prejudicando a alimentação adequada ao perfil de cada consumidor: morador de zona urbana ou rural, rico ou pobre, com ou sem restrições de saúde”, afirma Luis Madi, coordenador do projeto Alimentos Industrializados 2030 e diretor de Assuntos Institucionais do Ital, da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA).

Na publicação sobre biscoitos, é feita, por exemplo, uma análise comparativa de 243 tipos e marcas de biscoitos, salgados e doces, das principais empresas produtoras no Brasil. Em relação ao valor nutricional, carregam nutrientes importantes para a nutrição humana, principalmente proteínas e fibras, existindo opções diet e light em açúcares e com teores reduzidos de calorias, gorduras saturadas e sódio.

Quanto aos iogurtes industrializados, o estudo aponta que os alimentos produzidos atualmente evoluíram juntamente com a história da alimentação humana, porém com requisitos relevantes como a melhora da qualidade e segurança, aumento da eficiência, redução de custos e aumento da vida útil, atendendo todos os tipos de consumidores.

A publicação dedicada aos sucos e outras bebidas não carbonatadas industrializadas, por sua vez, apresenta uma análise comparativa de diversas marcas comercializadas nos supermercados, relacionando os portfólios de produtos de grandes e pequenas indústrias e as diferentes modalidades: sucos, néctares, refrescos e alimentos líquidos. Muitos são fontes de vitamina C, outros apresentam poucas calorias e/ou pouco sódio e em vários ocorre a mistura de ingredientes destinados à melhora do perfil nutricional, como vitaminas, minerais, fibras e mesmo proteínas e ômega-3.

Para contribuir com a disseminação de conhecimento sobre Ciência e Tecnologia de Alimentos e sobre o papel do Ital, a Associação dos Pesquisadores Científicos do Estado de São Paulo (APqC) lançou o vídeo ‘O que a pesquisa científica tem a ver com a sua alimentação?’. “Essa iniciativa da APqC aproxima os institutos de pesquisa e seus pesquisadores da sociedade e resgata a valorização da ciência e tecnologia em benefício da população”, destaca Eloísa Garcia, diretora geral do Ital.

“O Ital é uma referência em pesquisa, inovação e assistência tecnológica quando o assunto é conservação e segurança de alimentos no Brasil, mas, assim como acontece com os quase todos os Institutos, seu trabalho é pouco conhecido pela maioria das pessoas. Esperamos que esse vídeo possa ajudar a reduzir esse desconhecimento geral, valorizando os pesquisadores e pesquisadoras do Ital”, ressalta o presidente da APqC, João Paulo Feijão Teixeira.

Alimentos seguros

A Coordenadoria de Defesa Agropecuária é responsável pelo registro de estabelecimentos que industrializam produtos de origem animal, como carne, leite, ovo, mel e seus derivados no Serviço de Inspeção de São Paulo (SISP). O órgão realiza ações de fiscalização e monitoramento para prevenir e reduzir os riscos na produção e manipulação de alimentos no estado de São Paulo. A inspeção higiênico-sanitária tem por objetivo preservar a saúde pública, proporcionando à população o acesso a alimentos seguros e reduzir os riscos de transmissão de doenças. O consumidor deve fiscalizar o que consome, não adquirindo produtos de procedência duvidosa, verificando, dentre outros itens, o registro do órgão fiscalizador.

Na área vegetal, fiscaliza a qualidade dos insumos agropecuários, o comércio e a aplicação correta e segura dos defensivos agrícolas no controle das pragas indesejáveis nas lavouras e a devolução das embalagens vazias que reduzem os riscos ao meio ambiente e à saúde pública.

 

Galeria do Flickr

Nenhuma imagem disponível.

Galeria do Site

Nenhum áudio disponível.

Informações:
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo
(11)5067-0069

Acompanhe a Secretaria: