Capacitação dos produtores rurais para acessar o mercado é destacada no Fórum Consultivo do Projeto Microbacias II

Postado em: 14/09/2017 ás 12:58 | Por: Paloma Minke

Assessor parlamentar da Secretaria, Sergio Murilo Hermogenes, participou da abertura do evento em Barra Bonita (Foto: Paulo Prendes)Mostrar os benefícios do Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável - Microbacias II – Acesso ao Mercado aos produtores rurais paulistas e estimular as organizações a melhorarem sua capacidade de gestão para atender às demandas do mercado. Esse foi o foco do IV Fórum Consultivo do Projeto, realizado nesta quinta-feira (14), em Barra Bonita.

O Projeto Microbacias II, executado pelo Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Agricultura e Abastecimento, por intermédio da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (CATI), e pela Secretaria do Meio Ambiente (SMA), por meio da Coordenadoria de Biodiversidade e Recursos Naturais (CBRN) já transformou a realidade de associações e cooperativas de produtores rurais de todo o Estado, entre eles comunidades tradicionais indígenas e quilombolas.

O projeto, considerado “emancipador”, possibilita ao produtor criar um plano de negócios que agrega valor à produção e aumenta sua renda, com a estima incondicional do governador Geraldo Alckmin, que tem visitado diversas associações pelo Estado para conhecer, não só os projetos, mas a história de vida de cada produtor envolvido.

De acordo com secretário Arnaldo Jardim, a finalidade do Projeto é apoiar iniciativas de negócios, apresentados por associações ou cooperativas, preparando o pequeno produtor a atender as demandas, além de agregar valor a sua produção. “O Microbacias II possibilita que o homem do campo se desenvolva, cresça e crie novas oportunidades de acesso ao mercado, aumentando a produtividade e gerando renda. Estamos seguindo a determinação do governador Geraldo Alckmin”, disse.

O secretário-adjunto da Pasta, Rubens Rizek Jr. ressaltou a responsabilidade de usar o recurso do Estado para transformar a vida da sociedade, objetivo cumprido pelo Microbacias II. “Gostaria de agradecer a cada organização, a cada produtor rural que acreditou no projeto, que teve o espírito empreendedor para lutar pelo sonho de agregar valor ao seu produto e transformar o futuro de uma geração, fixando o homem no campo, gerando renda e riqueza para o município. Gostaria de agradecer também a todos os servidores do Estado que entenderam a nossa proposta e trabalharam com muita paixão e responsabilidade para fazer com que as políticas públicas do Governo do Estado fizessem a diferença na vida da sociedade e tornasse o Microbacias II um exemplo para o País”, afirmou.

O coordenador da Cati, João Brunelli Jr., destacou o papel do projeto em tronar os produtores gestores do próprio negócio (Foto: Paulo Prendes)Para o assessor parlamentar da Pasta, Sérgio Murilo Hermogenes Cruz, que destacou sua admiração pelo programa, o projeto é pequeno do ponto de vista do investimento do recurso público, mas é imenso “a partir do momento em que  transforma a vida do produtor rural, pois possibilita às organizações se desenvolverem, melhorarem suas ferramentas de gestão e a qualidade da produção rural, gerando renda e desenvolvendo a sociedade e a economia”, disse.

O coordenador da Cati, João Brunelli Junior, enfatizou que a extensão rural é a linha de frente do Estado para apoiar o homem do campo, e daí surge a responsabilidade do Projeto Microbacias II, de capacitar as organizações para atender às exigências do mercado. “O Projeto está promovendo mudanças significativas nas organizações rurais, a partir do momento em que permite que os agricultores sejam gestores do próprio negócio. Essa é a grande inovação. Sem interferência de terceiros, é o produtor quem agrega valor à sua produção, planeja suas atividades, escolhe como vender e tem a liberdade de alterar o rumo de seus negócios. Esse Projeto tem grande valia para o desenvolvimento econômico e social da agricultura familiar do Estado de São Paulo e do Brasil”, disse.

Ao longo do desenvolvimento do Programa, é possível observar o impacto que trouxe para a vida do produtor rural. O cacique da aldeia Terena Ekeruá, que fica no município de Avaí, Jasoni de Camilo, contou que 50 famílias que trabalham na cadeia produtiva da mandioca foram beneficiadas com a implantação de uma unidade de processamento e equipamentos, o que agregou valor ao produto e aumentou a renda dos agricultores. “Agora, a aldeia tem um trabalho e renda própria e isso fortalece nossa cultura”, comemorou Camilo, que pertence à etnia Teruá.

Já o presidente da Associação dos Produtores Rurais do Sítio Lambari de Casa Branca, Fernando Maringolo, enfatizou que o Projeto Microbacias II foi benéfico para a Associação fomentar a produção, reduzindo os desperdícios de produtos durante o processo de embalagem, melhorando a capacidade da produção. “É a realização de um sonho. Antigamente, tínhamos dificuldades para escoar a nossa mercadoria. O caminhão não entrava no antigo barracão. Então, tínhamos que carregar os produtos debaixo de sol e chuva. Agora estamos diante de uma nova realidade, e a nossa expectativa é melhorar a  produção, ajudando os nossos associados”, disse o presidente.

Produtores dividiram experiências e resultados alcançados com o Projeto Microbacias II (Foto: Paulo Prendes)Etapas do Programa

O Governo do Estado de São Paulo firmou, em 2010, o Acordo de Empréstimo com o Banco Mundial no valor US$ 78 milhões, dos quais US$47 milhões já foram aplicados, restando agora um saldo de Us $31 milhões para a execução, até setembro de 2018, do Projeto Microbacias II.   O custo total do Projeto é de US$ 130 milhões, incluindo a contrapartida do Tesouro Estadual de US$52 milhões.

Desde o início do Projeto Microbacias II, em 2011, já foram beneficiadas 262 organizações com 345 projetos, sendo 155 associações, com 196 projetos; 75 cooperativas, com 98 projetos; oito comunidades indígenas, 10 projetos: e 25 comunidades quilombolas com 41 projetos.

Até 31 de agosto de 2017, o Estado reembolsou cerca de 60% do valor apoiado – R$ 76.636.504,09, restando até setembro de 2018 reembolsar às organizações R$ 58.645.176,18. A confirmação da prorrogação do Projeto até o segundo semestre do ano que vem foi efetuada em documento enviado por Martin Raiser, diretor do Banco Mundial (BM) para a América Latina e o Caribe, ao Governo do Estado de São Paulo (leia mais clicando aqui).

Já foram reformadas 38 Casas da Agricultura (CAs), sendo investidos mais de R$ 5 milhões e, para este ano, há quase R$ 10 milhões reservados para serem usados nas reformas de mais 39 CAs e duas Regionais Cati. Com a prorrogação, novas reformas poderão ser realizadas até o fim do Projeto.

Com o Microbacias II, foram beneficiados 57 municípios, com adequações em trechos de estradas rurais, totalizando a recuperação de 789,21 quilômetros, cujo valor total das obras foi de cerca de R$ 25 milhões.

Novos convênios para estradas rurais também foram assinados para beneficiar 41 municípios, totalizando 396,3 quilômetros, cujo valor total das obras foi de quase R$ 26 milhões.

“Esses resultados são frutos de um trabalho sério desenvolvido pelo Governo do Estado de São Paulo nos últimos anos. O Microbacias II tem uma responsabilidade grande, pois contribui para a construção de uma nova realidade das organizações agropecuárias paulistas”, finalizou o coordenador da Cati.

Por Paulo Prendes  

Galeria do Flickr

Nenhuma imagem disponível.

Galeria do Site

Nenhum áudio disponível.

Informações:
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo
(11)5067-0069

Acompanhe a Secretaria: