FAQ


Todas as informações sobre o programa poderão ser acessadas no site da Companhia de Desenvolvimento Agrícola de São Paulo. Acesse o link a seguir e clique em Produtos e Serviços:

http://www.codasp.sp.gov.br/index.asp

Caso necessite de contato direto, seguem os meios:

Ouvidor: Nelson de Oliveira Matheus Júnior

E-Mail: nmoliveira@codasp.sp.gov.br

Fone: (11) 5077-6506

Fax: (11) 5073-1048

Endereço para correspondência:

CODASP – Avenida Miguel Stéfano, 3.900, Água Funda

São Paulo/SP - CEP 04301-903

E-mail: codasp@codasp.sp.gov.br

No site da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral-Cati, você encontra a relação dos 40 Escritórios de Desenvolvimento Rural – EDRs e as Casas de Agricultura espalhados pelo Estado:

http://www.cati.sp.gov.br/Cati/_institucional/NossosEnderecos.php

Você pode encontrar todas as informações sobre mudas e sementes no site da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral-Cati, por meio do Departamento de Sementes, Mudas e Matrizes (DSMM. Para saber mais detalhes, acesse o site:

http://www.cati.sp.gov.br/Cati/_produtos/SementesMudas/semente.php

A Coordenadoria de Assistência Técnica Integral-Cati disponibiliza mudas com garantia de qualidade genética, fisiológica e sanitária. Para saber os endereços e preços, acesse:

http://www.cati.sp.gov.br/Cati/_produtos/SementesMudas/mudas_info.php

O Instituto Agronômico-IAC tem um departamento de plantas aromáticas e medicinais. Você pode enviar uma foto para os pesquisadores analisarem ou uma amostra da planta.

O e-mail deve ser encaminhado à Dra. Eliane Fabri - efabri@iac.sp.gov.br ou Juliana, juliana@iac.sp.gov.br.

A amostra deve ser encaminhada à Avenida Theodureto de Almeida Camargo, 1500, Jardim Nossa Senhora Auxiliadora, CEP: 13075-630, Campinas/SP.

Aos cuidados da Dra Eliane Fabri, do Centro de Horticultura- setor de plantas aromáticas e medicinais.

Já a análise fisiológica e química da planta não é realizada pela Secretaria. Estas análises são realizadas pela área de farmacologia.

Solicitamos que entre em contato com o Centro de Frutas do Intituto Agronômico, órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo.

Centro de Frutas

Avenida Luiz Pereira dos Santos - 1.500 - Bairro Corrupira - Jundiaí (SP)

PABX (11) 4582-7284

(11) 4582-3455

(11) 4582-0406

(11) 4581-9193

Diretoria do Centro (11) 4492-4844

http://www.iac.sp.gov.br/UniPesquisa/Fruta/Fruta.as

Prefeitura do Município de São Paulo é a responsável pelas feiras livres na cidade. Você pode entrar em contato pelo site da prefeitura, na área de abastecimento:

http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/subprefeituras/abastecimento

Solicitamos que acesse os sites dos órgãos da Secretaria de Agricultura e Abastecimento, abaixo relacionados, e leia os procedimentos sobre estágio. Além disso, indicamos que entre no site da Fundap, órgão responsável pelos estágios públicos do Estado de São Paulo - www.fundap.sp.gov.br Agência Paulista de Tecnologia ds Agronegócios - APTA

Informamos que a Secretaria de Agricultura possui algumas publicações que tratam de aproveitamento integral dos alimentos; valor nutricional da soja e da carne suína; compra, armazenagem, higienização e aproveitamento de frutas, verduras e legumes, entre outras. Este material está disponível para download no site da Codeagro – Coordenadoria de Desenvolvimento dos Agronegócios:

http://www.codeagro.sp.gov.br/cesans/menu/pubicacao.htm

Informamos que você poderá acessar os dados econômicos da agropecuária paulista no site do Instituto de Economia Agrícola-IEA, órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento de SP:

http://www.iea.sp.gov.br

Solicitamos que acesse o site do Instituto de Economia Agrícola-IEA, na página de banco de dados:

http://www.iea.sp.gov.br/out/banco/menu.php

Disponibilizamos o telefone da Assessoria Parlamentar, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento, que sanará todas as suas dúvidas sobre a aquisição de pontes.

Assessoria Parlamentar: (11) 5067-0067 / 5067-0246 / 5067-0059

Informamos que a contratação de funcionários ocorre por meio de concurso público. Você pode consultar a página principal do nosso site, onde colocamos as chamadas ou pode entrar em contato diretamente com o Departamento de Recursos Humanos, pelo telefone: (11) 5067-0078/0079

Todos os eventos, cursos e palestras realizados pelos nossos institutos estão concentrados no site da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios:

Além disso, você pode encontrar nos sites de outros órgãos da Secretaria:

Sim. No link a seguir, você encontrará os eventos agropecuários de 2010 de todo o estado, divididos por mês:

http://www.agricultura.sp.gov.br/eventos2010.asp

A Coordenadoria de Defesa Agropecuária, sediada em Campinas/SP, atua por meio de 40 unidades regionais espalhadas por todo o território do Estado de São Paulo. Para saber o Escritório de Defesa Agropecuária mais próximo, acesse o link:

http://www.cda.sp.gov.br/www/institucional/index.php?action=estr

Informamos que é a própria companhia aérea ou terrestre que estabelece quais os procedimentos para o transporte de animais domésticos. Solicitamos que entre em contato com a companhia que você irá viajar. A mesma, costuma colocar em seu site os procedimentos.

Informamos que para procedimentos de importação e exportação de animais, material de multiplicação animal (sêmen, embrião, ovos férteis, ovócitos) e material biológico de origem animal, entre em contato com o Sedesa da Superintendência Federal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento da sua unidade federativa.

SFA-SP - Superintendência Federal de Agricultura no Estado de São Paulo
Rua Treze de Maio, 1558 – 8º andar
CEP: 01327-002 – São Paulo - SP
Telefone: (11) 3251-0400
gab-sp@agricultura.gov.br

Informamos que de acordo com a Coordenadoria de Defesa Agropecurária-CDA, órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo, se sua empresa presta serviços de tratamento fitossanitário em produtos agrícolas, você deverá procurar um escritório regional próximo ao seu município, para se cadastrar junto ao governo do estado.

Segue o link em que poderá localizar o escritório:

http://www.cda.sp.gov.br/www/institucional/index.php?action=estr

Solicitamos que acesse o site da Coordenadoria de Defesa Agropecuária, órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo - http://www.cda.sp.gov.br/www/legislacoes/

A Coordenadoria de Defesa Agropecuária desenvolveu um Manual de Procedimentos - Implantação de Estabelecimento Industrial de Leite e Produtos Lácteos. Para ter acesso, entre no link:

http://www.cda.sp.gov.br/arquivos/manual_de_procedimentos_para_implantacao_de_estabelecimento_de_leite_e_produtos_lacteos.pdf

Você poderá consultar todas as informações sobre o GTA acessando o link da Coordenadoria de Defesa Agropecuária-CDA:

http://www.cda.sp.gov.br/www/servicos/index.php?action=view&cod=21

Solicitamos que acesse o link abaixo, da Coordenadoria de Defesa Agropecuária-CDA referente à Permissão de Trânsito Vegetal-PTV.

http://www.cda.sp.gov.br/www/servicos/index.php?action=view&cod=43

Você pode acessar a página do Fundo de Expansão do Agronegócio Paulista – FEAP e adquirir todas as informações sobre financiamento e crédito agrícola realizados pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo:

http://www.agricultura.sp.gov.br/Credito%20Rural.asp

A doença é produzida pelo menos por seis tipos de vírus, classificados como A,O,C,SAT 1,SAT-2 e SAT-3, sendo que os três últimos foram isolados na África e os demais apresentam ampla disseminação. Não há transmissores de aftosa, o vírus é vinculado pelo ar, pela água e alimentos, apesar de ser sensível ao calor e a luz. A imunidade contra um deles não protege contra os outros. Além disso, constataram-se alguns subtipos dos vírus citados, com a particularidade de que uns causam ataques mais graves que outros e alguns se propagam mais facilmente. Esta complexidade, apresenta um aspecto muito desfavorável, pois um animal atacado por um tipo de vírus, embora ofereça resistência ao mesmo, é ainda suscetível aos outros tipos e subtipos. O agente etiológico é um vírus da família Picornaviridae, gênero Aphthovírus.

Infecção - A febre aftosa é uma doença extremamente infecciosa. O Vírus se isola em grandes concentrações no líquido das vesículas que se formam na mucosa da língua e nos tecidos moles em torno dos cascos. O sangue contém grandes quantidades de vírus durante as fases iniciais da enfermidade, quando o animal é muito contagioso. Quando as vesículas arrebentam, o vírus passa à saliva e com a baba infecta os alojamentos, os pastos e as estradas onde passa o animal doente. Resiste durante meses em carcaças congeladas, principalmente na medula óssea. Dura muito tempo na erva dos pastos e na forragem ensilada. Persiste por tempo prolongado na farinha de ossos, nos couros e nos fardos de feno. Outras vezes o contágio é indireto e, nesse caso, o vírus é transportado através de alimentos, água, ar e pássaros. Também as pessoas que cuidam dos animais doentes levam em suas mãos, na roupa ou nos calçados, o vírus, o qual é capaz de contaminar animais sadios. Nos animais infectados naturalmente, o período de incubação, varia de dezoito horas e três semanas.

Sintomas - A elevação da temperatura e a diminuição do apetite são os primeiros indícios da infecção. O vírus ataca a boca, língua, estômago, intestinos, pele em torno dos cascos e na coroa. No inicio, febre com pápulas que se transformam em pústulas, em vesículas, que se rompem e dão aftas na língua, lábios, gengivas e entre os cascos, o animal baba muito e tem dificuldade de se alimentar. Devido às lesões entre os cascos, o animal tem dificuldade de se locomover. Nos dois primeiros dias a infecção progride pelo sangue produzindo febre; depois aparecem as vesículas na boca e no pé. Também surgem nas tetas. Então a febre desaparece, porém, a produção de leite cai e a manqueira aparece, bem como a mamite com todas as suas graves conseqüências.

As vesículas se rompem e libertam um líquido transparente ou turvo; aftas, que aparecem após 24 a 48 horas, resultantes são dolorosas e podem sofre infecção secundária. A secreção de saliva aumenta e fios de baba começam a cair da boca. O animal mastiga produzindo ruído caracterizado, ao abrir a boca, chamado "beijo da aftosa".

Nos ovinos e caprinos, as lesões das patas são características, enquanto que as da boca podem ser pequenas e passarem desapercebidas. Os surtos de aftosa surgem repentinamente e com muita freqüência; todos os animais suscetíveis do rebanho apresentam os sintomas praticamente ao mesmo tempo. A intensidade da doença é muito variável. Na forma leve, as perdas podem alcançar uns 3%, enquanto que nas graves alcançam 30 a 50%, porém, em média, a mortalidade é baixa nos adultos e elevada nos jovens , principalmente os em aleitamento, porque as mães não os deixam mamar. Os animais que sobrevivem, se recuperam dentro de vinte duas porém, às vezes, a recuperação é bastante demorada; alguns animais com lesões cardíacas são irrecuperáveis, bem como as perdas de tetas.

O agricultor deve procurar a Casa da Agricultura do seu município, que orienta na organização do pedido, dando entrada na agência local ou mais próxima do Banco Nossa Caixa S.A. O pleito deverá se enquadrar dentro dos projetos em vigor.
Para saber qual a Casa de Agricultura, acesse o link:

http://www.cati.sp.gov.br/Cati/_institucional/NossosEnderecos.php

Solicitamos que acesse o site do Programa Pró-Trator, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo, onde constam todas as informações sobre o programa:

http://www.agricultura.sp.gov.br/protrator.asp

Informamos que o Programa Pró-trator vem amparado pela Decreto de 53.653, publicado em diário oficial em 04/11/2008, onde o artigo 4º do mesmo refere-se a resoluçăo SAA - 71, DE 18/11/2009. As potências contempladas são:

  1. trator com potência mínima de 50CV(potência de motor);
  2. trator com potência mínima de 75 CV(potência de motor);
  3. com potência mínima de 80CV(potência de motor);
  4. trator com potência mínima de 100 CV(potência de motor);
  5. trator com potência mínima de 120CV(potência de motor);
  6. microtrator motocultivador equipado com enxada rotativa, potência de motor abaixo de 20CV(potência de motor);
  7. microtrator abaixo de 20CV’s(potência de motor);
  8. microtrator abaixo de 50 CV’s(potência de motor).

Solicitamos que entre em contato com o Instituto de Pesca, órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo. Abaixo, seguem os contatos:

Instituto de Pesca

Atendimento aos usuários
Telefones: (011) 3871-7530 e 3871-7569; fax: (011) 3872-5035
E-mail: antoniosimoes@sp.gov.br
Site: www.pesca.sp.gov.br

Você pode localizar a legislação pesqueira no site do Instituto de Pesca:
http://www.pesca.sp.gov.br/legislacao.php

Disponibilizamos vários serviços e produtos por meio do Instituto de Pesca. Acesse o link e veja se algum se enquadra para suprir as suas necessidades:

http://www.pesca.sp.gov.br/outros.php

- Monitoramento de visitas de estudantes, previamente agendadas, ao Museu do Instituto de Pesca, Santos (SP).
E-mail: museu@pesca.sp.gov.br
Fones: (13) 3261-5260 e 3261-5995

- Monitoramento de visitas de estudantes, previamente agendadas, ao Aquário do Instituto de Pesca, São Paulo (SP).
E-mail:etalmelli@sp.gov.br
Fones: (11) 3871-7509 e 3871-7513

Acesse a página do Instituto de Pesca destinada para exportação. Você encontrará os procedimentos para obter informações e como realizar seu cadastro no setor:
http://www.pesca.sp.gov.br/exportacao_pescado.php